terça-feira, 30 de junho de 2015

Até onde vão os limites dos padrões impostos pela mídia? (Postado originalmente no Blog Vem Garota, no ano de 2013)

     Oi gente, tudo bem? 

     Semana passada falamos de Plus Size, e revirando meu bauzinho de escritos por aqui, achei um texto antiiiigo, que fiz pra um blog/diário que já nem tenho mais. Esse texto é de 2013 (olha há quanto tempo eu já toco nessa tecla...). Pode ser que eu esteja me expondo além da conta, mas não tenho como falar de amor próprio sem falar de mim, sem falar de como eu o conquistei o meu, e principalmente sem falar do caminho que percorri até conseguir. Espero que isso possa ajudar alguém…

“Quando nascemos fomos programadosA receber o que vocêsNos empurraram com os enlatadosDos U.S.A., de nove as seis.Desde pequenos nós comemos lixoComercial e industrialMas agora chegou nossa vezVamos cuspir de volta o lixo em cima de vocês.”

     Começo esse post com um trecho da música Geração Coca-cola, do Legião Urbana, que traduz bem o que quero falar. Sei que o assunto é muito delicado, mas o que escrevo é somente a expressão da minha opinião pessoal, e eu uso como base apenas minha história de vida e minha percepção sobre tudo o que passei.
     É bem por aí que a coisa acontece… A gente cresce ouvindo várias coisas que influenciam diretamente no nosso comportamento. O que devemos fazer, como devemos ser, a maneira que devemos agir, o que podemos comer, o que devemos vestir. Tudo isso é imposto, sugerido ou incitado, seja pela nossa família, seja pela sociedade, e em tempos onde a mídia dita a moda e os padrões, pode ter certeza que isso sempre foi uma das minhas maiores dificuldades.
     Sempre fui gordinha, e passei a infância e adolescência ouvindo que eu devia emagrecer, que o normal era ser magra, que eu não podia me aceitar daquele jeito, que não era possível que uma pessoa se achava bonita sendo gorda. Até que muito preconceito depois, resolvi aderir “a moda” e trouxe essa responsabilidade pra mim. Ser magra virou meu maior objetivo de vida. Eu sempre dizia que podia até morrer, mas morreria magra. E como o destino não poderia ser outro, vieram as neuroses, depressões, bulimias e afins. Fase ruim! Mas o pior é que não foi uma vez só...  Ainda lembro das noites insones, da garganta ferida, da culpa, dos batimentos acelerados, e me lembro mais ainda da dor de não poder dividir isso com ninguém.
     Ter a consciência que tenho hoje sobre mim e sobre o meu corpo não foi nada fácil, e me custou bastante dinheiro, não só com tratamentos falidos para emagrecer, mas também com terapia para me curar dessa doença, para me livrar dessa obsessão. Me aceitar como mulherão, bonita e passível de ser amada não foi muito difícil, mas hoje é a minha realidade. E a questão que lanço hoje é: Até onde vão os limites do que é aceitável, diante da imposição acerca do que é belo, esteticamente falando?
     Na minha opinião, ser bonito é ser feliz, é ser saudável, é a gente se amar do jeitinho que a gente é. Estou acima do meu peso sim, mas sou saudável, sou feliz, sou amada, me amo, e isso é o que importa.
     Na onda do “faça isso, faça aquilo, perca peso tenha estilo” (trecho da música ‘A vida é minha’, do Capital Inicial) tenho visto muitas meninas perdendo a saúde, e até a vida, tentando entrar em um padrão, buscando uma beleza utópica e vazia, deixando pra trás o objetivo maior da vida, que é ser feliz. Viraram escravas dos modismos, e perderam a essência e a personalidade.

Foto: Reprodução Plus Model Magazine
     Essa foto estampou uma das maiores polêmicas relacionadas ao mundo da moda. Nela, a modelo russa Katya Zharkova abraça uma modelo anônima visivelmente abaixo do peso. Com com o título “O que há de errado com elas?”, a matéria abre uma discussão sobre o padrão anoréxico repetidamente visto nos desfiles das mais importantes grifes do mundo. Quero deixar claro aqui, que não faço apologia a obesidade, mas desde que se tenha saúde, o importante é se amar e ser feliz.
     Vejam o video a seguir, e tirem suas próprias conclusões, sobre o que é real, sobre o que lúcido, sobre o que é beleza, só não me peçam pra seguir esse padrão e sofrer tudo de novo.





segunda-feira, 29 de junho de 2015

Você não tem tempo para cuidar das redes sociais do seu negócio? Como assim?

Porque recomendo a Ana Paula Santos - Marcelle Rebelo para Ana Paula Santos

Imperdíveis da semana! #almoçocomnegócios



Hoje temos o evento #almoçocomnegócios, as 13:00, online com a nutricionista ortomolecular e coach Ana Paula Santos, do Clube da Dieta.
Ela vai falar sobre os nutrientes poderosos para a saúde feminina.
A mulher que tem TPM, menopausa, corre para lá, para cá, precisa saber como tirar proveito dos nutrientes e equilibrar sua saúde, energia e emoções e obter alta performance.

Vem com a gente?

Clique AQUI

Na palestra online revelaremos o link do hang outs para tirar dúvidas ao vivo com a Ana.

Boa semana!

sábado, 27 de junho de 2015

Gadget tudo de bom - Aplicativos que nos lembram de beber água

     Hidratação é uma coisa séria, mas a maioria de nós, na correria da vida, acaba esquecendo disso, e ao fim do dia, nos damos conta que quase não bebemos água. Muitos por esquecimento, outros por falta de hábito, ou outros por não gostar mesmo.
     Existem hoje, uma série de aplicativos que te lembram de beber água, e ainda calculam a quantidade necessária para você, levando em consideração o peso, a altura, seu estilo de vida e a temperatura do local onde está o usuário.
     Olha só a lista dos aplicativos mais baixados:

1 – Beba Água: informa a quantidade mínima de água de acordo com o seu perfil, e fornece gráficos diários, semanais e mensais para que você acompanhe o seu desempenho.

2 – Hydro: beba água e ajude: te incentiva a beber regularmente a quantidade de água adequada. Tem  calculadora que informa a quantidade de água que o seu corpo necessita.

3 – Beba Água Alarme: te lembra de beber água de tempos em tempos, durante os intervalos definidos por você.

4 – Water Your Body: digite o seu peso atual e o app irá ajudá-lo a determinar quantos litros de água seu corpo precisa todos os dias. Aplicativo em inglês.

5 – Drinking Water: defina o número de copos que você quer beber por dia e o aplicativo irá lembrá-lo durante. Após o consumo, marque cada copo de água. Aplicativo em inglês. 

     Essa semana, o Blog do Clube da Dieta trouxe um post muito legal sobre os benefícios da água, e deu a dica de águas aromatizadas para dar aquela turbinada no organismo. Essa dica vale também para aqueles que acham a água sem graça. :)
     Para ler o post do Clube da Dieta, clique aqui.  


sexta-feira, 26 de junho de 2015

Que Visual! - Dicas de Looks e Acessórios de Sucesso no Mundo Corporativo (por Lu Valente)

     Sexta é dia de falar de dicas culturais, que você conferiu AQUI e também de falar de looks, para que você possa no fim de semana, organizar seu guarda-roupa para aquela ocasião especial, na semana seguinte.

     Agradecemos à consultora de estilo Lu Valente, que nos proporcionou muitas dicas de sucesso no evento online #almoçocomnegócios dessa semana, que você confere AQUI e assumiu a coluna semanal do blog, que você confere agora com dicas de looks e acessórios de sucesso no mundo corporativo.

    Vamos adorar saber o que você achou das dicas, comente! Bom fim de semana!
     

O ambiente de trabalho exige sobriedade no visual porque o que é necessário que fique em evidência é o talento e as habilidades do profissional. É necessário sim um maior destaque em sua imagem, principalmente quando você precisa fechar um negócio ou participar de uma reunião importante, para que ela passe além de credibilidade,  possa transmitir segurança e estima elevada, só assim levará você a obter sucesso!

     Confira as 5 dicas de “certo e errado” para um look de sucesso no ambiente corporativo:

                                                     ERRADO (itens proibidos!):
  • TRANSPARÊNCIA;
  • DECOTE PROFUNDO;
  • MINI SAIA;
  • LEGGINS; 
  • SALTOS MUITO ALTOS E FINOS E SANDÁLIAS ALTAS TAMBÉM SÃO MUITO CHAMATIVOS E SEXY, DEVE-SE EVITAR!



 
                                                     Imagem tudosobrebeleza.com.br


                                              CERTO PARA HOMENS E MULHERES;
  • BLAZER; de bom corte, acinturado e bom caimento;
  • CALÇA DE ALFAIATARIA; cores neutras;
  • Para os homens, RELÓGIO de qualidade, SAPATO ESTRUTURADO e uma GRAVATA DE SEDA;
  • CAMISA DE ALFAIATARIA ou tricoline de algodão;
  • Para mulheres, VESTIDO ESTRUTURADO, tipo tubinho.



                                              Imagem escritório virtual fortaleza


                                                           Imagem dooda.com.br


     Acima de qualquer coisa, é preciso primar pela qualidade das peças.  Pode até se utilizar uma combinação do tipo 'high and low', misturando uma peça mais cara com uma mais barata, mas nunca usar tudo do mais em conta.  Se quiser um look que cause impacto e sucesso, tem que investir! Vale mais comprar uma calça de alfaiataria, por exemplo, com preço em média de R$ 100, e parcelar do que comprar 5 que não vão durar, precisamos focar na economia sustentável, durabilidade do tecido e sofisticação.
     
                        BOM FECHAMENTO DE NEGÓCIOS, SUCESSO A TODOS! 

                                                                                                                         Lu Valente!



Vai desanuviar - Dicas para o final de semana

Como de praxe, sexta-feira a gente dá umas dicas do que fazer com essa maravilha chamada fim de semana, e hoje, a nossa seleção está lotada de passeios culturais 0800, afinal, fim de mês é brabo pra muita gente.

Em Niterói, a nossa dica é exposição que conta a história da famosa "Maldita", ou simplesmente, rádio Fluminense FM, que fomentou o rock dos anos 80, que tocava o que a galera queria ouvir, sem intervalos comerciais, e ainda inovou, sendo a primeira rádio com um time de locutoras mulheres, mostrando assim sua ousadia para a época, e dando passagem para o que hoje chamamos de empoderamento feminino. Monica Venerabile e Milena Ceribelli faziam parte desse time.
A exposição é super interativa, e você pode ouvir as músicas da época, apreciar instrumentos autografados de artistas que tocavam na programação da rádio, e ainda participar dos painéis de entrevistas com a galera que faz parte da história da rádio. No primeiro andar tem posters, capas de vinis e bandas. No segundo, tem uma cabine para tirar foto, como se estivesse no ar, fazendo a locução e mais música para ouvir com diversas playlists.
A rádio era um sonho, uma ideologia, e não era comercial, por isso acabou. Era ao vivo, e já foi até fechada por um bombástica entrevista com Lobão, sobre sexo, drogas, rock and roll e política.
Enfim, é muita coisa para falar, pois a exposição está mesmo incrível. Tem que ver de perto! Então aproveita que ela só vai ficar no prédio dos Correios, em Niterói, até o dia 11 de Julho.

Serviço:

A entrada é franca e a visitação ocorre de segunda a sábado, das 10h às 19h (exceto feriados).
Endereço: Palácio dos Correios – Espaço Cultural Correios.  Avenida Visconde do Rio Branco,  nº 481, Centro de Niterói, em frente à Estação das Barcas da Praça Araribóia.


Foto: Paulo Araújo/Agência O Dia

Foto: Paulo Araújo/Agência O Dia

     Mas se você está no Rio, não pode perder a exposição com obras do pintor Pablo Picasso, no CCBB. A exposição conta com 90 obras do artista, que viram da Espanha e todas são do período do Modernismo. Entre as obras presentes estão "Cabeça de mulher" (1910), "Busto e paleta" (1932), "Retrato de Dora Maar" (1939) e "O pintor e a ,odelo" (1963), além de estudos e esboços para “Guernica".
     Quem for à exposição poderá notar que as telas de Miró parecem conversar com a tela de Picasso, e que os traços de Salvador Dalí, em 1926, já eram influenciados pelas criações de Picasso.
     Está simplesmente imperdível!

Serviço:
Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro
Rua Primeiro de Março 66, Centro
(21) 3808-2020
De quarta a segunda, das 9h às 21h
Entrada franca
culturabancodobrasil.com.br

Foto: Divulgação










quinta-feira, 25 de junho de 2015

Papo de Quinta: Um brinde ao sagrado feminino

     Eu sempre fui uma menina muito feminina, mas doida por aventuras e disputando meu lugar com os meninos, sempre tentando equilibrar os gêneros e viver em situação de igualdade e respeito, buscando uma convivência harmônica.

     Ao preparar o que ia dizer na abertura do #mulheresnocomando no iOffices, me vi repassando minha vida, como em um filme e contei para as alunas que fui escoteira em um grupo onde há 32 anos meninas não entravam e rompi essa barreira, ainda muito nova.

     A tendência das meninas da minha tropa era querer fazer tudo tal e qual os meninos, cantar grosso como eles, fazer as mesmas coisas que eles para que fossemos aceitas e respeitadas. É uma tendência feminina, imitar o modelo masculino, principalmente ao liderar, chefiar...era super natural que tivéssemos esse comportamento. Lembro que brigávamos muito, mas ficamos muito amigas. Foi muito interessante quebrar o jejum de tantos anos sem ter meninas no grupo. Foi especial demais.



Quando um pouco mais velha fui para a tropa de guias escoteiras, já com 15 anos, a chefe, Maria Dolores, sim a Kiki, da Rufus Garage Sale, estava abrindo a tropa com meninas mais velhas, para absorver as meninas que não tinham mais idade para serem escoteiras e ela já foi um pouco diferente como chefe...colocou a rosa como símbolo da tropa, trazia seu violão para que cantássemos harmonicamente, nos ensinou a fazer brownies para vendermos para as campanhas financeiras, nos ensinou a criar nossos próprios presentes para nossas festas de amigo oculto e era super feminina, mas muito competente com ferramentas, técnicas mateiras e foi com ela que montei meu primeiro acampamento suspenso em um estrado de bambus...como casas na árvore...ela dizia que teríamos que ser escoteiras sim, mas meninas, sempre!

     Ali ficou muito claro para mim que dá para ser bonita, sensual e muito competente. Foi uma referência e tanto e muito importante na minha adolescência.


Torneio internacional de Cozinha, que ganhamos em primeiro lugar representando a Espanha

Primeiro acampamento da Tropa, quando fizemos a mesa, o fogão a lenha e tudo mais

Nosso escudo, feito pela própria Kiki (Já prevendo a Rufus?) e com a rosa na flor de lis nas cores do grupo. Ela dizia que rosas eram lindas, perfumadas e tinham espinho para se protegerem...como nós!


Agradeço também a Maria Dolores, a Kiki por no meu momento maternal supremo ter se aproximado, cuidado de mim, me ensinado a costurar e me ensinado a importância de ter amigas por perto, de abrir o coração, tecendo uma rede bem quentinha, cheia de afeto. Eita, como isso faz bem, lava a alma e evita que a gente pire e engrosse a geração Rivotril...mas vamos lá...


     Eu transitei por um grupo de capoeira por anos, onde cheguei a ajudar organizando eventos, secretariando e era um universo bem masculino, mas não perdi minha feminilidade e não disputava com os meninos e via as meninas que acabavam se masculinizando e ali ficava muito clara a essência masculina e a essência feminina em busca pelo equilíbrio, como Yin e Yang.


     Na faculdade de Biblioteconomia fui presidente do diretório acadêmico e nossa comissão tinham quase 13 pessoas e somente 3 mulheres, o que chamava a atenção de algumas pessoas mais próximas, especialmente as mais preconceituosas, que me perguntavam como eu tinha feito a façanha de juntar tantos homens em um curso eminentemente feminino.
     Tenho muitos amigos homens, virei madrinha de alguns filhos desses amigos e sempre soube receber e respeitar suas namoradas, esposas e sempre busquei um ambiente em harmonia.

     Quando me tornei gerente de uma empresa americana no Brasil, o ritmo estava "punk", se é que você me entende e com o estado workaholic sendo pouco para definir minha situação no momento, me via embrutecida. Bebendo demais, fumando charutos, falando muito palavrão e tendo muitas dificuldades de relacionamento com Rodrigo. Na época trabalhávamos juntos.

     Me achava super feminina e experimentava o poder, a independência e a liberdade de ir e vir e a liberdade financeira, mas tive o feedback de alguém muito próxima da minha essência: minha prima Érica (que inaugurou a Tropa feminina junto comigo, fez parte de grandes momentos da minha vida), que hoje estuda o Sagrado Feminino, de que não, eu havia me embrutecido. Ela fez questão de vir para minha casa passar um tempo comigo, após me observar em um estado onde eu não tinha consciência, mas tinha perdido contato com meu sagrado feminino. Sou gratíssima à ela!

     Eu vejo que embora sempre calma e doce, com os clientes, carinhosa com a equipe, eu estava envolvida em uma atitude de muita liderança e muita agressividade, muita voracidade, muita passionalidade e vivia exausta. Eu sofria, e chorava feito uma criança, quando tudo desmoronava a minha volta e não conseguia lidar com as consequências quando as pessoas reagiam ao meu excesso de energia.

     Você se identifica? O que causa isso em muitas mulheres da minha geração e cada vez mais nas gerações futuras? 
     O afastamento do Sagrado Feminino.


Miguel, minha prima Érica e eu visitando o Parque Nacional de Itatiaia...lavando a alma, muito bom estar com ela!


     Érica, já havia tido contato com tudo isso acerca do sagrado feminino e muito instintiva se doou e quando veio cuidar de mim por um tempo, me ensinou a ter uma alimentação mais natural, a ficar em silêncio, a ter contato com a natureza e à noite, após o jantar em nossas conversas na rede, ela me tocava a real...eu precisava mudar, me conectar com mais tranquilidade com as pessoas, em especial com meu marido, nosso amigo de infância e escotismo, que ela conhece muito bem e muita tranquilidade para gerar outro ser e trazer o Miguel para nossa vida. Mas eu não enxergava o que ela queria dizer, mas algo foi mudando em mim fortemente e foi como se eu tivesse ouvido um chamado. Sim, um chamado pela maternidade, causando uma revolução em mim. 

     Algumas pessoas, como ela, foram peça chave para que eu desacelerasse e entrasse em sintonia com meu Sagrado Feminino e sou muito grata a cada uma delas.

     Rodrigo foi fundamental, dando muito apoio e o Miguel, nem se fala...

     Uma vez, sentada no chão do corredor do meu obstetra, Dr. Carmine Masullo (enquanto o aguardava...sim, eram longas esperas), achei uma revista que trazia uma matéria científica sobre como nós mulheres enlouquecemos e vamos parar em manicômios ou nos suicidamos se não trabalharmos nosso feminino ao longo da vida.
     A Doutora (sim, ela defendia uma tese de doutorado) provava que não era misticismo, mas era antropológico, ancestral a nossa necessidade de nos conectarmos com nosso EU FEMININO para nos mantermos lúcidas. Ela comprovou estatisticamente que mulheres que não tiveram filhos, mulheres que não se permitiam fazer um bolo e tomar um café da tarde com a vizinha, mulheres que não conversavam com outras mulheres sobre coisas da vida, enfim...as que não tricotaram, costuraram, pintaram ou trabalharam essa essência repetindo gestos das nossas ancestrais...chegavam à loucura e à depressão, primeiro embrutecendo. Aquilo me chamou muito a atenção.

     Eu levei um susto. Porque naquele momento o que eu mais queria fazer era bolo no fim de semana, decorar minha casa, aprender a costurar, e de fato a minha nova rotina ao deixar meu antigo emprego foi o que me curou de uma depressão e da loucura, pude crer.

     Antes de engravidar do Miguel, poucos meses antes, eu perdi uma gravidez e o Dr. Carmine me recebeu em um dia 23 de abril, dia de São Jorge (feriado). Nós ficamos quase umas 3 horas conversando e eu me preparava para uma curetagem. Estava chocada com o fracasso da gravidez e da perda e isso refletia como eu havia sido petulante ao repetir inúmeras vezes que não queria ser mãe 
(eu tinha muito medo de engravidar) e aí quando tentei...pah...não deu certo...foi assustador e uma puxada de orelha do universo...para 3 meses depois vir o Miguel, meu maior presente.

Muitos dizem que a maternidade me tornou mais tranquila. Érica me disse outro dia, que a maternidade me conectou com minha essência. Eu acredito que sim. E sou grata!

     Mas, o interessante, foi que o médico abriu meus olhos e explicou como é fato que o corpo da mulher é feito para "enlouquecer"...ou ter "depressão", dados hormônios e maneiras de lidar com a emoção.

     E ele me salvou com aquela conversa e com dicas preciosas para lidar com aquela perda.
     
     Cada uma de nós deve se cuidar. Isso é sério e deve ser compromisso diário. 

Corpo
Mente
Saúde
Psicológico
Espírito
Natureza
Emoções
Relações
Intelecto

     Cada esfera e cada parte da nossa vida deve ser cuidada com muito esmero.

     Lembro que uma professora, na época do Liceu, nos falou sobre Brumas de Avalon e todo um conceito Celta sobre a Deusa (Terra) ser cultuada pelas sacerdotisas, que não aceitavam o patriarcado, o masculino, as guerras...e eu devorei os 4 livros, que foram muito importantes para mim.

     O Sagrado Feminino pode ser estimulado quando você entra em sintonia com sua essência, com seu corpo, com sua natureza, com seus ciclos, com sua gestação, com seu amadurecer com sabedoria, sem medo de envelhecer, respeitando seu ritmo, sua essência, equilibrando-se.

     Há grupos com práticas desde meditação, conversas, dança, alimentação e muito mais, independente de credo, para o empoderamento feminino e muita informação na internet.

     Quando nos equilibramos, nosso trabalho se equilibra, nossa casa se equilibra, nossa relação se equilibra, nossos filhos se equilibram e só nós mesmas podemos nos equilibrar e entrar em harmonia. Começa com nossa vontade de ter paz, tranquilidade e equilíbrio na vida e conseguirmos isso exercendo coisas ligadas ao sagrado feminino, que são muito instintivas...basta que passemos a nos ouvir.

     O mercado de trabalho, a competitividade, a correria do dia-a-dia nos coloca em um lugar muito ruim, onde nos desequilibramos. Na época em que estive muito longe do meu sagrado feminino, Rodrigo sugeriu uma terapia de casal e a psicóloga foi indicada por uma amiga do mestrado, que também recomendava a terapia, tamanha minha angústia à época. 

     Em uma das sessões, a terapeuta mandou na lata que ela estava em um grupo de estudo sobre mulheres e que eu estava competindo com Rodrigo de uma maneira muito negativa e que nossa geração, considerada como um grupo de  "mulheres fálicas", imitamos tanto os homens, que falta pouco colocar o pau na mesa para medir, com perdão da expressão, mas representando o quão ruim somos cópias de homens, quando ao invés, deveríamos ser nossa mais pura essência e trazer equilíbrio para as relações. Foi antes de eu engravidar. E foi um começo para que eu realmente começasse a me olhar mais como mulher.

     Essa foi minha história e como ando tão envolvida com temas relacionados à mulher, muitas coisas caem na minha visão e tenho refletido muito sobre a questão de gênero. E sei que isso não é à toa. Sei que posso ajudar a muitas mulheres com nosso projeto, enfatizando o empoderamento feminino e esperamos que essa energia cresça e se multiplique.

     Que você encontre alegria, equilíbrio, liberdade para cultivar o seu sagrado feminino e viver uma vida mais livre e feliz e veja mais e converse com mais com suas amigas, sem essa de papo "mulherzinha", momento "mulherzinha", como se fazer algo relacionado à sua essência merecesse esse diminutivo e não fosse importante. Que é isso, gatas? Bora colocar em prática papo e dons femininos e ser felizes! Quando somos mais cúmplices e menos críticas, nos empoderamos e quando nos empoderamos, nos equilibramos.
       

     Quinta volto com mais um papo e adoraria se você comentasse e contasse sua experiência!
     
     Comente!

Beijocas, Marcelle Rebelo









Novidade em serviço: capsulas de vídeos com a Fuska


     Uma das coisas que temos visto crescer cada vez mais é a produção de conteúdo em vídeo. Por que? Porque é mais prático deixar rolar um vídeo e você vai ouvindo, enquanto trabalha e se precisar, você retoma ao vídeo para assisti-lo em detalhes. 
     Sem contar que o formato em "capsulas" tem tudo a ver para quem quer "ingerir" conhecimento de 2-4 minutos, tempo ideal para que em um intervalo, ou na correria seja possível assistir ao vídeo.
     Pensando nisso, a Biblio Ideias vinha procurando uma oportunidade de parceria para oferecer o serviço de vídeos, na comunicação digital do seu negócio.
     Você pode sim, começar a gravar seus vídeos, do seu celular, da webcam, da sua câmera fotográfica, mas o olhar do profissional por trás da câmera, faz toda diferença e vale a pena investir para ter vídeos mais bacanas, mais acessados, que vão gerar mais resultado para quem vai te conhecer através desse formato.
     A Flavia Rebello, nossa integrante criativa, também tem uma produtora de vídeos, a Fuska e com Thompson e Everton, eles bolaram um pacote bem legal para o cliente Biblio Ideias.

     Caso você tenha interesse, entre em contato! Vamos adorar te atender!


quarta-feira, 24 de junho de 2015

Salve São João!!! Que ele acenda a fogueira da esperança em seu coração!


Você conhece a origem das festas Juninas? Ao contrário do que ocorre com os demais Santos, o dia de São João é celebrado no dia do seu nascimento. Contam que escondidas em cavernas e a uma certa distância e muito perto de darem a luz, as primas Maria e Isabel, combinaram de acender uma fogueira para avisar quem tinha dado a luz primeiro. Isso mostra que Jesus, de fato também, não nasceu em dezembro, mas tudo bem.
Elas estavam escondidas porque havia perseguição às mães de meninos, estavam matando os meninos nascidos na ocasião.
Daí vem a fogueira de São João, pois ele nasceu primeiro, o primo mais velho de Jesus, que veio a ser profeta, evangelizador e responsável pelos batismos à beira do Rio, que hoje é disputado por dois povos...

Saiba mais sobre João, AQUI

São João é padroeiro de Niterói e todo dia 24 de junho é feriado por aqui e tem também a festa da Catedral, no Centro da Cidade.

Eu cresci com amor pelas festas juninas, devido à toda empolgação da minha mãe com quadrilhas, bandeirinha, comidas festivas e ouvindo forró, no Barro Vermelho onde vivi até os 9 anos.
Santo Antonio, São João e São Pedro rendem boas comemorações em paróquias, praças, bairros e até dentro de casa. Por aqui todo ano acendemos uma fogueira e reunimos gente animada, que já fica esperando...esse ano vamos revezar os grupos para dar conta de tanto amor, tanta alegria e tanta tradição!

Minha amiga Mary fazendo os estandartes com os Santos que Comadre Jô trouxe

Amo essas lanternas e balões. Essas foram presentes da Alice e da Jô.


Ficou fofo, não?


              A colcha de fuxico sempre decora e faz bonito, trazendo a influência do nordeste

Casal de amigos, Rufus Garage Sale prestigiando nosso Arraiá doou esse ano uma bobina de máquina de lavar para fazermos a fogueira sem susto, mas temos que conseguir tirar uma peça que tá sobrando


Fogueira em vaso de barro...foi linda, mas estourou o vaso...Rodrigo é mestre em fogueiras!


Miguel e Kiki na pescaria improvisada no balde...rs


Lanternas fáceis de fazer com Passo a passo AQUI da revista minha casa!
PAP de São João, bora fazer e enfeitar a empresa, a casa, a varanda?


Espantalho fofo feito pela minha sogra, que caprichou na decoração do ano passado!

Bandeirinhas de tecido, lanternas de papel, lanternas feitas com lata (pela Marly Guerra, minha sogra), lanterninhas feitas com potinhos de papinha do Miguel pelo Luiz Design Verde

Meu sobrinho com seu bigode no São João do ano passado

Guirlanda do ano todo com retalhos para São João, feita pela Marly Guerra

Conheça os trabalhos dela AQUI


Meu coração se enche de alegria.

Era comum a rua ou o bairro se reunir, cada um levar uma coisa, montar barraquinhas, enfeitar as crianças, a rua, fazer brincadeiras na rua, como a corrida do ovo na colher, corrida do saco, pau de sebo, achar a moeda em prato de farinha, dança da laranja e por aí vai e quero que Miguel cresça em contato com nossa cultura.

No sincretismo, São João é considerado Xangô, eu não sabia disso, mas tenho muita afinidade com Xangô e ouvia desde nova Caetano cantar, "Pai Xangô, Xangô...viva São João..." e não havia me dado conta...



Conhecer a nossa cultura, ancestralidade e toda a diversidade cultural nos faz crescer, empreendedor de nós mesmos e de nossos negócios, quanto mais cultura melhor, então se você é de outro credo, melhor não torcer e nariz e conhecer um pouco dessa cultura.

As festas vieram com a influência de nossa colonização portuguesa, que nos trouxe a dança nobre, representada pela quadrilha, as fitas e cores, do tom ibérico, da China vieram os fogos de artifício 

Todos esses elementos ganharam muitos outros com a influência do povo brasileiro, especialmente de nordestinos, índios, negros...por isso o Nordeste tem um lindo São João, que dura o mês inteiro. Época importante para a economia, representa a colheita, a boa safra, onde os trabalhadores do campo podem vender seus tomates, batatas, milhos, etc...e o nordeste recebe muitos turistas, o que ajuda a economia local.

O Gilberto Gil fez um documentário bem legal e vale a pena você parar para assistir, existe em DVD e tem no You Tube

Eu tenho o documentário, sou louca por conhecer o Arraiá do nordeste, como a minha prima Érica conhece. Uma riqueza cultural muito grande, minha gente. Saber de onde viemos, ajuda a entender muitas coisas e saber para onde vamos...

Se animou? Asse milho, faça pipoca, coloque um bom forró para tocar e celebre São João...ah, dizem que as festas juninas tem esse nome porque em Portugal celebrava-se a festa "Joanina".

Santo muito fofo! Que proteja a todos nós e que tenhamos todos uma boa colheita do que semeamos com nosso trabalho e suor até aqui, o meio do ano!

Viva São João!

Ah, Elba sempre anima...e da-lhe Elba Ramalho para celebrar São João



Como sobreviver aos custos das férias de meio de ano com os filhos


Hoje falaremos sobre como economizar nas férias de julho com os filhos sem estourar o orçamento.
Ainda que férias seja o assunto, não posso deixar de citar as palavrinhas mágicas: Planejamento Financeiro. Pois este é o primeiro passo para nos organizarmos para termos um período tranquilo e, principalmente, um pós-férias sem dívidas.
Fundamental respeitar o padrão de vida familiar, porque não é pelo fato de estarem de férias que devem alterá-lo. Aliás, é aproveitando o período das férias que podemos introduzir aos filhos, de maneira leve, a importância de poupar para a realização dos sonhos, onde o dinheiro separado deve ser o suficiente para os passeios programados.
Se este ano a colônia de férias ficou absurdamente cara, a sugestão é lembrar-se dos amigos. Sim! Os da escola, do prédio, do clube... Que tal combinarem entre as mães amigas e entre seus filhos? Cada dia a reunião será na casa de um deles. E no final de semana seria da mãe que trabalha. Assim, não pesaria para nenhuma família.  Atualmente, os condomínios têm estruturas de clube com piscina, quadra de esportes, salão de jogos, então é só combinar a brincadeira: Uma tarde de vídeo game (claro com tempo limitado); pintura; gincana; massinha; jogos de tabuleiro, etc...
Outra atividade que pode ser desenvolvida em casa, de baixo custo, é brincar de cozinhar com os filhos. É uma boa maneira de ensinar a evitar desperdícios com os alimentos.
Obviamente, a turminha não vai querer ficar todo o tempo em casa. Então pesquisar atividades culturais é uma tarefa para os pais. Algumas prefeituras fazem, nesta época, eventos em parques e praças. As bibliotecas também oferecem atrações com contadores de histórias, teatrinhos e brincadeiras. Museus também costumam abrir para exposições interessantes que despertam nas crianças novos horizontes. Lembro até hoje, quando era pequena, da exposição do Rodin no Centro do Rio.
Procurem evitar que os filhos fiquem presos as atividades tecnológicas, claro, desde que os pais também não fiquem (olha o exemplo!).
Para os adolescentes, os pais podem sugerir uma tarde musical com piquenique, com frutas, sucos e sanduiches caseiros, evitando os fast-food.
Outra opção é organizar sessões de filmes temáticos, com direito a bate-papo divertido ao final. Há opções gratuitas on line, aluguel de DVDs, TV aberta e a cabo. Recomendo atenção dos pais quanto à classificação etária dos filmes.
Para os filhos maiores, se a opção for viajar, envolva-o para que faça o levantamento dos custos da viagem. Alguns itens são: passagens, hotel/albergue/hostel, verificar se a hospedagem inclui refeições, passeios, custo do aluguel de carro ou tickets de transportes públicos, gastos com refeições, presentes, emergências, entradas em parques, museus... Limite um orçamento e faça que ele trabalhe dentro dele. Será um bom exercício de gestão financeira. Ou ainda, para aqueles que têm amigos morando em outras cidades ou estados, podem visitá-los.  Esta é uma alternativa interessante para os jovens conhecerem melhor nosso país sem muito custo para os pais, pois não gastariam tanto com todos os itens que citei acima.
Ir ao shopping não considero um bom passeio, inclusive nem acho que é passeio. Pois é um grande estímulo ao consumo. É demasiadamente tentador entrar num centro de compras, olhar aquele monte de lojas e não comprar nadica de nada! Sair só para ver vitrine! Xô tentação! Para um adulto já é bem difícil (digo por mim) imagina para uma criança que não tem noção do quanto custa ganhar dinheiro? Então se tem intenção de fazer este tipo de passeio sugiro que defina com o filho, antes de sair de casa, uma quantia a ser gasta e o que irão comprar. Sem exageros, sempre buscando o consumo consciente.  Recomendo que nem leve os cartões de débito ou crédito e nem cheque. Somente o dinheiro. Assim, de fato, só gastarão o que estiver na carteira. Esta dica vale para as tentações mundanas!!! Xô!!!
Aproveite para dizer que o valor dado para seu filho para aquele dia será só este e não receberá mais nada.  Terá que ser suficiente para comprar o que ele desejar.  Caso o valor não seja suficiente, ótimo! Será a oportunidade para introduzir o planejamento financeiro para a realização de desejos futuros. E se sobrar, melhor ainda, ajude-o a guardar e destinar para as futuras aquisições.
Ainda no shopping, os pais podem economizar se saírem de casa depois de lancharem. Outra opção é levar para o cinema seu próprio combo. Já pensaram nisso?
Pessoal, não é ser pão-duro! É questão de planejamento, de otimização de recursos! É dar valor ao dinheiro que temos e trabalhamos muito para conquistá-lo! Não sei o de vocês, mais o meu não dá em árvore!
Com a diferença economizada, os pais podem apresentar aos filhos o benefício de serem prudentes e conscientes com recursos escassos. São nestes momentos de lazer que os filhos veem as virtudes dos pais em serem disciplinados.
Portanto, se vocês querem filhos independentes e equilibrados financeiramente, sejam vocês também. 




terça-feira, 23 de junho de 2015

Vem cá! Vamos falar de Plus Size

     Eu jurei pra mim mesma que essa semana eu não causaria nenhuma polêmica, porque as próximas semanas serão de muita emoção pro meu coraçãozinho, mas diante dos fatos, não tenho como omitir minha opinião, porque muitos não sabem, mas há alguns anos andei desfilando meu corpinho pelo meio Plus Size. Foi uma passagem curtíssima, mas mesmo em pouco tempo consegui ver e ouvir umas coisas que me fizeram optar em não dar continuidade a minha carreira, que cá pra nós, não seria das mais brilhantes (sou baixinha demais, hehehe). Brincadeiras a parte, vou focar na parte séria da coisa.
     Sempre fui do tipo mignon, pequena e atarracada, e no meu primeiro ensaio fotográfico, uma algumas das plus models que lá estavam diziam que eu não era plus size. Cara, se eu não era plus size, eu era o que? Magra que não podia ser! Comecei a me sentir deslocada logo ali, porque não me encaixava no padrão de beleza comumente exposto, pois não era magra, mas em contrapartida, as Plus que eu acabara de conhecer não me reconheciam como uma delas também. Puta crise de identidade me bateu...
     O fato é que o termo, que nasceu lá pelos anos 70, faz uma alusão ao "tamanho maior" das mulheres mais curvilíneas e corpulentas, sem explicitar se eram gordas, ou a grade do manequim. Eu entendo que plus size é toda a mulher que está além dos manequins de passarela. É a mulher do dia a dia que não usa 36, 38 ou até mesmo o 40, porque sua fartura de curvas não caberia ali. Eu entendo que o termo ulus size deveria agregar, e não segregar. Tanto que existe hoje uma corrente que luta contra o termo, e querem que os grandões da moda se refiram as moças, ou rapazes, apenas como modelos, sem diferenciar se é Plus  ou não, sem segregar pelo peso ou manequim - e eu super apóio!
     Distorcer termos e expressões é meio cultural aqui em terras tupiniquins, e uma coisa que observei, mesmo de longe, é que o plus size deixou de ser um termo do mundo fashion e virou uma espécie de escudo de proteção, e muitas vezes pretexto ou justificativa, para mulheres acima do peso (algumas muuuito acima). "Eu não sou gorda, sou plus size!" E não acho que isso seja de todo ruim, e tiro por mim, que resolvi me aventurar por esse caminho porque eu sabia que isso seria um up para a minha autoestima, e foi mesmo. Mas conheci um monte de meninas descuidadas com a saúde, que estavam num grau crítico de obesidade, e que não se cuidavam. Obesidade é um estado que exige atenção pela infinidade de doenças crônicas ligadas a ela, e não só por uma questão estética.
     Outro problema é que junto com o modismo vem as consequências, e nesse boom do plus size, apareceu muita gente picareta oferecendo mundos e fundos pra tudo quanto foi gordinha, como se qualquer pessoa pudesse ser uma super star. E as lindonas, se agarrando a essa oportunidade, pagaram books, taxas de agências, e coisas do tipo para conseguir um lugar ao sol. E foi nessa que eu vi algumas pessoas se desiludindo. Alôôô! Gente, como em qualquer profissão que envolva imagem, é preciso ter um perfil. Nem toda menina alta e magra consegue ser modelo. E nem toda gordinha vai ser modelo plus size. Tanto para um caso quanto para o outro, o que conta é o conjunto. Cabelo, pele, fotogenia, corpo harmonioso... e principalmente jeito para a coisa. Isso eu saquei logo que não tinha. Além de ser baixinha, sou tímida demais para encarar as lentes das câmeras. Meu lugar é atrás delas mesmo.
     Se você pesquisar pelo termo hoje, vai achar quem diga que plus size é a mulher acima do 46/48. Mas e quem está no meio termo? E quem veste 40, 42 ou até mesmo 44 não é plus size? Não tem tamanho maior que os padrões impostos pela mídia comum? Porque magras elas também não são. O pior é que o preconceito começa entre as próprias modelos. A Carla Manso, que já é bem conhecida no meio, por já ter vencido concurso de miss Plus Size, e por trabalhar há bastante tempo modelando, estava hoje no programa da Fátima Bernardes relatando que vem sofrendo bullying porque perdeu 10 kg. Que isso minha gente? O fato de ela ter perdido uns quilos e ter ficado com um corpo mais enxuto não faz dela uma pessoa magra. Muito pelo contrário, acho que ficou ainda mais linda, com um corpo super harmonioso, que é o mais requisitado entre as modelos Plus lá de fora.
     Acho que a moda precisa ser mais inclusiva e menos exclusiva, ou excludente, afinal, quem movimenta essa máquina milionária somos nós, umas com mais dinheiro, outras com menos dinheiro. Umas sustentando as grifes de luxo, outras as lojas de departamento. No fim, a indústria da moda está toda interligada como uma grande cadeia lucrativa, comandada por meia dúzia de poderosos que dizem o que você vai ou não usar, e ainda mais, ditando o corpo que você precisa ter. O fato é que sem consumidor essa engrenagem não funciona, então, por que não nos posicionarmos de forma mais firme e consciente diante disso? Fica a dica!!!



Fluvia Lacerda - Top Plus brasileira internacionalmente conhecida
Foto: Site vilamulher.com.br

Carla Manso - Modelo e uma das primeiras misses Plus Size.
Foto: Reprodução Facebook



Cleo Fernandes - Primeira Miss Brasil Plus Size
Foto: Blog madama.com.br






Euzinha aqui! ;)
Foto: blog mulherão.com.br

segunda-feira, 22 de junho de 2015

O negócio é o seguinte! Canvas!

Olá, hoje inauguramos uma coluna nova aqui no blog: "O negócio é o seguinte".

O objetivo dessa coluna é ajudar aos nossos clientes e a nossos leitores com a proposta da educação continuada, compartilhamento de dicas, ferramentas, palestras e afins para que cada vez mais cada um encontre significado, ferramentas e motivação para tocar sua carreira ou negócio! Toda segunda teremos ajuda para seu negócio ou carreira aqui no Biblio Ideias.

Uma das coisas que percebi ao longo desses 4 anos atuando na Biblio Ideias com o foco em comunicação digital é que:


  • Se o empreendedor ou o funcionário não estiver alinhado à sua missão e propósito, ficará longe o equilíbrio e a sensação de felicidade e sucesso,
  • Caso o empreendedor não pare para fazer a gestão do seu negócio, pensar no seu negócio e tocar tudo "à toque de caixa" , não usar a consultoria com todo seu potencial (agendando reuniões, usando ferramentas proporcionadas e permitindo que a estratégia de comunicação ocorra) o sucesso fica comprometido.
  • Pensar um plano de negócios é fundamental para que consigamos montar a sua estratégia de negócios
Com base nisso, incluímos na consultoria mensal, (onde paramos para ouvir o feedback do nosso cliente, treinar sobre algo que ele precise ou pensar campanhas presenciais ou virtuais) a orientação ao plano de negócios.

Mas por que as pessoas travam ao ter que preencher fichas, planilhas, etc? Quando chamo o cliente para pensar o negócio dele, ele me diz que não tem tempo para isso...

Ao longo dos estudos que temos praticado esse ano, ouvimos muitas vezes a Rafa Cappai,  da Espaçonave, que hoje em dia, o plano de negócios pode ser mais simples, pode ser feito ao longo da ação para seu negócio acontecer e pode ser refeito e de maneira gostosa e criativa.

Coincidentemente, a Fernanda Brum, no dia do seu #almoçocomnegócios aqui no home office, me mostrou o modelo de negócios Canvas, mais simples e possível e estamos loucos para propor a cada cliente que tenha o seu próprio Canvas.

Veja o vídeo:


Por que o plano de negócios é importante?
Sempre temos a sensação de que podemos atender a todos, mas quem atende a todo mundo, não atende a ninguém, porque não determinamos os nossos valores e não conhecemos nosso público. 
Conhecer seu público é fundamental para sua estratégia de comunicação e se cada cliente nos apresentar seu Canvas, vamos montar estratégias incríveis e mais certeiras!


Você pode baixar o modelo CANVAS do SEBRAE AQUI






domingo, 21 de junho de 2015

Imperdíveis da semana - Editado


Nosso #almoçocomnegócios no Eventials + Hang Outs da semana é com a consultora de estilo Lu Valente, revelando segredos para um look de sucesso para você vender mais.

O evento vai ser dia 23 de junho, as 13:00. Evento online e gratuito com dicas para você vestir-se de acordo com os valores da sua empresa e ter muito sucesso.

Inscreva-se AQUI

Nossa cliente Datacoop lançou 3 cursos presenciais para quem quer focar em concursos públicos na área de Biblioteconomia - auxiliar e biblioteca jurídica e vem aí o curso de Bibliotecas Digitais para quem quer gerenciar o acervo digital, pensar em preservação e muito mais!








LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...