quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Socorro! Livrai-me desta tentação!


Mas o que é isto? Você acaba de abrir uma conta corrente e já ganha um cartão de crédito, cheque especial, crédito direto ao consumidor, financiamento de veículos... só porque apresentou sua renda mensal! Quer dizer, não precisa pedir, conta historinha triste justificando o uso do dinheiro, ele está lá lindinho olhando para você, te seduzindo!
O seu saldo na conta corrente é R$1.000, mas lançam tantos créditos aprovados que quando você checa seu extrato acha que tem R$ 10 mil limpinhos para gastar! (Pior que já vi gente incorporando o cheque especial ao salário).
Ah, se dinheiro fosse fácil ganhar assim e não houvesse custo algum...
Mas, é aí que está o grande problema.
Você vê a facilidade de usar o seu cartão de crédito e ainda tem a possibilidade de não precisar pagar todo o valor da fatura. Só que estamos falando de custo do dinheiro, ou seja, juros, e cada vez está maior. Ontem, o Banco central divulgou o absurdo que é cobrado anualmente no rotativo* do cartão de crédito: 414,3%. Para efeito de comparação, a taxa de juros, a Selic, que é parâmetro para as aplicações, está em 14,25% ao ano.
Então pensa aliviado que pagou o seu cartão porque se deu conta que ele é mais uma forma de administrar seu orçamento ao longo do mês, mas deixou sua conta corrente negativa, usando o seu limite do cheque especial.
Acho que não tenho uma boa noticia, pois esta taxa também subiu para 62,3% ao ano em setembro.
Caro amigo, seu bolso é único, ou seja, só há uma entrada e muitas saídas ou fontes de consumo, como cartões, dinheiro e cheques. Por isso, volto a frisar a importância de montar um orçamento. Só assim, analisando, somando suas entradas e todas as saídas, inclusive os custos com os juros poderá saber se terá possibilidade de assumir novas despesas.
No exemplo acima, está se pagando uma dívida e fazendo outra, que é bastante cara, porém não tão quanto a do cartão de crédito (comparando 414,3% com 62,3%).
Obviamente, o mais recomendável é quitar todas as dívidas e não fazer nenhuma, vivendo dentro do padrão que a renda permite. Mas sei que a vida real, muitas vezes, não é assim. Então, o que pode ser feito é avaliar as receitas e cortar as despesas com os supérfluos, com o intuito de reduzir ao máximo o rombo no orçamento.
Fazer o levantamento das dívidas, elencando as com taxas mais altas. Sem esquecer de considerar o CET (Custo Efetivo Total) e o prazo. Procure pagar as que têm as maiores taxas primeiro.
Com esta informação, negocie junto às instituições financeiras, empresas de cartão de crédito e recuperação de dívida. Normalmente, estão abertas às negociações. Procure ir com um valor cabível ao seu orçamento, lembrando que tem outras contas a serem pagas.
Desde 2014 já é possível fazer portabilidade de crédito entre as instituições financeiras. Importante ficar atento não só a taxa da operação que está transferindo assim como todos os outros custos de tarifas que possam existir na conta. Pode ser que não compense mudar de banco.
Se não chegarem a um acordo, o PROCON ou a Defensoria Pública, através do NUDECON (Núcleo de Defesa do Consumidor) podem ajudar. Outro auxilio que está a caminho são as mudanças no Código de Defesa do Consumidor, aprovado pelo Senado no início deste mês. Nas propagandas estão proibidos os termos “sem juros”, “gratuito”, “sem acréscimo” e “com taxa zero”. As intenções são evitar o superendividamento, além das pessoas não caírem nas armadilhas do “dinheiro fácil”.
Por fim, o importante é encontrar o ponto de equilíbrio entre consumir de forma consciente e satisfatória dentro do que a renda disponível permite, trocando o consumo imediato por um bem maior no futuro guardando sempre para os sonhos.
*O rotativo é a linha de crédito pré-aprovada no cartão e inclui também saques feitos na função crédito do meio de pagamento.


Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...